Janelas que transformam luz solar em energia 16/03/2015

Janelas que transformam luz solar em energia 16/03/2015

Investigadores estudam a criação de janelas que transformam luz solar em energia.

Investigadores das universidades de Coimbra (UC) e de Sheffield, no Reino Unido, desenvolveram um estudo que contribui para o futuro desenvolvimento de janelas que transformam luz solar em energia elétrica, anunciou esta segunda-feira a UC. As projetadas janelas - designadas pela comunidade científica como "células fotovoltaicas de terceira geração" -, que poderão produzir eletricidade, em vez de painéis fotovoltaicos, são "mais eficientes e de custo reduzido em comparação com os atuais sistemas", afirma a instituição portuguesa, numa nota divulgada esta segunda-feira. "Pela primeira vez", uma equipa de investigadores, coordenada por Carlos Serpa e Hugh Burrows, "avaliou o potencial de alguns compostos de platina (platina ligada a um conjunto de moléculas orgânicas) para aplicações na transformação de energia solar em eletricidade". Para isso, os especialistas adotaram "um método sensível de calorimetria fotoacústica (tecnologia única desenvolvida na UC)", para determinarem "quão eficiente é a transferência de eletrões destes compostos de platina para um material semicondutor, de forma a produzir eletricidade, num aproveitamento racional da energia solar". Os resultados da investigação, financiada pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) e pelo LaserLab Europe, foram considerados 'HOT Article' e serão capa da edição 26 (a publicar em julho, mas já disponível online) da revista científica editada pela Royal Society of Chemistry, "Dalton Transactions", adianta a UC. Segundo o investigador Carlos Serpa, os compostos de platina estudados são candidatos promissores para aplicações na conversão da energia solar em eletricidade, porque "apresentam como grande vantagem a sua capacidade de intensa absorção no visível e em parte do espetro do infravermelho próximo". Simplificando, se se pensar nas "cores do arco-íris, estes compostos de platina têm uma forte capacidade de absorver grande parte dessas cores, especialmente a cor vermelha, mais difícil de captar", refere Carlos Serpa, salientando que "esta é uma característica essencial para a transformação eficiente de luz solar em energia elétrica". Mas "verificou-se que o tempo de vida do composto no estado necessário para a transformação em energia elétrica é muito curto, entrando em competição com a transferência de eletrões para o circuito elétrico", ressalva o investigador da Faculdade de Ciências e Tecnologia da UC.

Fonte: cmjornal.xl.pt 16/03/15

Contacto

energia-solar-térmica-tisst

© 2015 tisst.net -Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por Webnode