Energia do espaço para a Terra 13/03/2015

Energia do espaço para a Terra 13/03/2015

Redirecionar energia do espaço para a Terra pode aliviar a fatura da eletricidade

Investigadores da Agência Japonesa de Exploração Espacial conseguiram redirecionar energia solar com um bom nível de precisão, o que abre portas a um maior aproveitamento da energia gerada pelo Sol.
A energia solar já é uma importante fonte de "combustível" limpo. Seja em fábricas ou em habitações particulares, são já muitas as pessoas que tiram partido desta energia que é bastante abundante.
Mas ao atravessar a atmosfera terrestre, uma parte desta energia é perdida. Por isso é que já é um objetivo antigo conseguir reaproveitar a energia solar que está dispersa no espaço e um grupo de investigadores da Agência Japonesa de Exploração Espacial (JAXA na sigla em inglês) parece tê-lo feito com um significativo grau de sucesso.
O maior problema enfrentado até aqui estava relacionado com a precisão do redirecionamento, algo que tem sido trabalhado e que apresenta agora resultados positivos.
Os cientistas japoneses conseguiram "desviar" 1,8 kilowatts de energia - o suficiente para alimentar um computador desktop e o seu ecrã por oito horas -, durante uma distância de 55 metros.
"Esta foi a primeira vez que alguém conseguiu enviar um grande output de quase dois kilowatts de energia elétrica através de micro-ondas para um alvo pequeno, usando um dispositivo delicado de direcionamento", disse um porta-voz da JAXA, citado pela publicação Phys.org.
Uma das vantagens do sistema de recolha de energia no espaço é, por exemplo, o facto de não estar sujeito a condições meteorológicas.
Quer isto dizer que dependendo do processo de evolução das investigações nesta área, no futuro uma parte da energia usada na Terra - e no espaço - poderá ter por base este sistema de redirecionamento.
Um conjunto de satélites colocados a 36 mil quilómetros da superfície terrestre fariam a recolha e distribuição da energia. No entanto a JAXA admite que só daqui a três décadas é que será possível ter este sistema como uma fonte regular de energia.
O Japão tem especial interesse em novas formas de energia já que o seu território não tem combustível fóssil em abundância e o país está à procura de uma alternativa à energia nuclear depois do desastre registado em Fukushima em 2011.

Fonte: tek.sapo.pt 13/03/15

Contacto

energia-solar-térmica-tisst

© 2015 tisst.net -Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por Webnode