DISTRIBUÍÇÃO E LIGAÇÃO ENTRE COLECTORES

energia-solar-térmica, paineis-solares

 

sistema-solar-térmico-tipos-ligação

O conjunto de capatação é formado pelos colectores, respectivos elementos de fixação e demais acessórios. Num conjunto de captação todos os colectores deverão ser do mesmo modelo. O campo de colectores compreende o espaço físico onde se encontram, contando com as zonas que devem ficae livres para evitar sombras e facilitar a manutenção.
A limitação de superfície disponível, assim como a forma que esta pode ter, fazem com que haja necessidade de encontrar soluções engenhosas que permitam colocar o número de colectores precisos, através de combinações série-paralelo, formando filas que por sua vez se interligam também em paralelo. Como regra geral, para uma distribuição uniforme do caudal é preciso que todas as filas de colectores tenham o mesmo número de colectores para assegurar perdas de carga iguais em todas elas, sem aumentar os custos com acessórios.

Do ponto de vista funcional, deve-se considerar o seguinte:

  • A instalação deve assegurar o percurso hidráulico seja o mesmo para todos os colectores, de forma a que se obtenham perdas de carga similares e em consequencia caudais semelhantes emtodos eles
  • O caudal nos colectores não deve baixar de 0,8l/m2 por minuto. desta forma assegura-se um coeficiente de transmissão de calor adequado entre a placa absorsora e o fluído. Os valores óptimos situam-se entre 1dm3 por minuto e por m2 de superfície.
  • O comprimento das tubagens de condução deve ser o mais curto possível para diminuír as perdas hidráulicas e de calor.
  • As perdas de calor nas tubagens e acessórios devem reduzir-se ao mínimo, evitando zonas mal isoladas.
  • Deverão existir dispositivos que impeçam a formação de bolsas de vapor ou ar.
  • A disposição dos colectores deve ser tal que permita a sua montagem e desmontagem

Os grupos de colectores podem interligar-se de 3 formas: série, paralelo ou paralelo de canais.

TIPOS DE LIGAÇÃO ENTRE COLECTORES

  • LIGAÇÃO EM SÉRIE LIGAÇÃO EM SÉRIE

    Neste caso o caudal de circulação é igual em todos os colectores. A circulação em série permite menos caudais, secções de tubagens mais pequenas e trajectos mais curtos, o qual reduz os custos de instalação e operação. A ligação em série de colectores ou de filas de colecores, conduz a um aumento...

  • LIGAÇÕES EM PARALELO LIGAÇÕES EM PARALELO

    A ligação de colectores em paralelo proporciona comportamentos térmicos similares em todos eles sempre que o número em cada fila não supere os valores estabelecidos pelo fabricante. Fixar este número não é possível, mas a experiencia mostra que pode ser admissível um número máximo de 10...

  • LIGAÇÕES EM PARALELO DE CANAIS LIGAÇÕES EM PARALELO DE CANAIS

    A ligação em paralelo poderá ser feita em paralelo de canais, com a vantagem de necessitar de um menor comprimento de tubagens. O número máximo de colectores ligado em paralelo de canais será 4. Nestes a instalação é simples e de baixo custo. Apresentam bom rendimento e baixa perda de carga. Este...

  • LIGAÇÕES EM BATERIA LIGAÇÕES EM BATERIA

    A ligação em bateria é muito utilizada para grandes instalações e deverá obedecer a algumas regras de arte:   Nas montagens de duas linhas de colectores ligadas em série, a entrada a segunda linha será realizada directamente, sem nenhuma válvula de corte intermédia, instalando-se uma vávula...

Contacto

energia-solar-térmica-tisst

© 2015 tisst.net -Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por Webnode